fbpx
O Guia Da Luz

Com frequência observo que no início de cada ano as pessoas fazem planos que envolve sair da sua própria zona de conforto. O desejo de fazer diferente do ano que passou é ás vezes tão intenso que a proposta de romper com as barreiras que impediram a execução de determinada actividade até então são substituídas pelas promessas de mudança. O que é extremamente saudável, afinal, toda proposta de movimento que contribua para o próprio bem estar se torna sinónimo de saúde e qualidade de vida.

Contudo, ao se colocarem diante da execução do que se propuseram é comum o contacto com um grande sabotador de mudanças: o medo. Sim, a zona de conforto não é construída por uma “preguiça” boba, ela é alimentada pelo “monstro” do medo que entende que é melhor permanecer onde está e não ter prejuízos desconhecidos ou maiores que aqueles que já tem, do que investir em uma mudança e correr o risco de se deparar com um sofrimento novo, ou ainda, com aquele sentimento que mais atormenta o indivíduo. Este sentimento é completamente único, individual, singular. Para alguns há o medo de se sentir humilhado, para outros existe o medo de se sentir sozinho, abandonado, há quem tenha medo da frustração, de se arrepender, de não conseguir lidar com as consequências que a mudança; efeito da conquista; exigirá. Cada indivíduo mantém à sombra os seus medos com o intuito deles não aparecerem e estes medos dizem muito sobre cada personalidade.

“Neste ano farei ginástica!”, “Até o fim do ano vou viajar sozinha pro exterior!”… E então se deparam com a timidez excessiva diante da ideia de mostrar o próprio corpo para um professor fazer uma avaliação de treino, ou com o medo de ter uma crise de pânico ao se perceberem dentro de um avião. Apesar de todos os prejuízos que se tem evitando lidar com estes medos, existe também o conforto de não ter que mobilizar o que causa dor emocional, é neste momento que a famosa zona de conforto se instala e mecanismos para não sair dela são construídos a nível inconsciente: “Eu não preciso de ir para um ginásio!”, “O meu chefe nunca me dá férias!”…

Isso não significa que o desejo por estas conquistas desaparecem, ao contrário, ele ganha força à medida que é negado à nível inconsciente, mas o que acontece é que mesmo sabendo que muito da sua vida mudaria se conquistasse aquilo que quer, o medo de transpor as barreiras impostas pelo medo é maior.

Algumas pessoas chegam a dizer que precisam se conformar que nunca conseguirão o que querem, que não nasceram para isso, que precisam aprender a conviver com a frustração de não ter uma parte fundamental para si. Parece para elas que não há saída a não ser desistir. Mas, a própria desistência é uma questão de ganho, então, é necessário fazer o oposto: começar a identificar os prejuízos em todas as áreas da vida que se tem devido ao “monstro” que impede a execução daquela promessa de ano novo específica.

Entender o que aquele medo em específico diz a respeito da própria história de vida é fundamental para conhecer as restrições nas quais se aprendeu a viver. O medo de mostrar o corpo e se sentir humilhado por alguém que o próprio indivíduo julga “melhor” que si certamente influencia no seu trabalho, na sua vida familiar, social… A questão de inferioridade talvez oriente outras áreas da vida deste indivíduo, mas devido a ele ter encontrado recursos para mascará-la: ser autónomo, ter amigos que solicitam muito da sua ajuda, cumprir as expectativas familiares; faz com que não tenha que enfrentar este medo directamente, algo que teria que fazer na academia, por exemplo. Do mesmo modo ocorre com o segundo exemplo: enfrentar o medo de se sentir sozinha em algo que ela considera instável e ou perigoso, pode também reflectir nas demais áreas da sua vida: se cercar de pessoas sempre por perto, solicitar engajamento do outro constantemente para não se sentir vulnerável, querer garantias de que terá sempre uma relação para lhe dar suporte… Enfim, todos estes casos são hipotéticos mas permitem esboçar de que forma o medo que alimenta a zona de conforto do indivíduo reflecte nas demais áreas da sua vida.

Então, uma forma de lidar com o que amedronta é enfrentando aos poucos, com suporte, dentro de uma linha própria de segurança, aqueles medos que orientam a nossa vida mas que por questões de manutenção da saúde psíquica estavam afastados da nossa consciência. Com isso é possível se aproximar aos poucos deles, sempre com cautela para não causar traumas novos e intensos em cima daqueles que já existem. Isto é feito em psicoterapia através de auto-conhecimento e claro, da vontade de mudar.

A sua zona de conforto sente “fome”, identifique de que ela se alimenta, evite que ela cresça. Não permita que os seus medos atrapalhem os seus sonhos.

Artigos Relacionados

Sobre o autor Ver todos os artigos

O Guia Da Luz

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Não perca uma pitada do nosso site!
Subscrever á Newsletter
Seja o primeiro a receber as últimas actualizações e conteúdo exclusivo directamente na sua caixa de entrada de e-mail.
Subscrever
Experimente, você pode cancelar a inscrição a qualquer momento.
close-link

Bem Vindos

Você não nos encontrou por acaso. A ajuda que você precisa pode estar bem aqui. Entre em contacto e desabafe sobre os seus problemas. Garantimos dar o melhor de nós para ajudar você a resolver todos os seus obstáculos. Sob a luz dos vossos Guias.
CONTACTE-NOS!
close-link
Será destino?
%d bloggers like this: