O Guia Da Luz

A mediunidade é a capacidade de uma pessoa – médium – canalizar e intermediar a comunicação entre seres humanos e seres espirituais desencarnados.

Quando a pessoa se dedica a desenvolver e a trabalhar a mediunidade, essa capacidade de comunicação entre o mundo físico e o espiritual pode ser manifestada em diversos tipos de mediunidade, ou seja, existem médiuns que conseguem ver, ouvir, sentir, intuir e incorporar seres espirituais ou psicografar mensagens.

Outra manifestação de mediunidade não muito abordada é a mediunidade olfativa, onde o médim é capaz de perceber por meio do cheiro a vibração de ambientes e pessoas.

Apesar de os médiuns serem sempre lembrados quando o assunto se trata de mediunidade, é um consenso comum da comunidade espírita de que todo e qualquer tipo de sensibilidade, premonição ou sexto-sentido, é uma manifestação de mediunidade que pode se desenvolver.

COMO SABER SE É PRECISO DESENVOLVER A MEDIUNIDADE

Como a mediunidade interessa em sua maior parte os religiosos de diversas crenças, muitas pessoas que não possuem religião ou nunca ouviram falar nesse assunto ficam desamparadas ao lidar com possíveis sinais de mediunidade.

É importante pontuar que existem diferentes graus de mediunidade, onde os sinais podem ser mais aflorados e evidentes ou não. Para simplificar podemos dividir os graus de mediunidade em duas categorias:

Mediunidade ostensiva:

é uma habilidade evidente que determinada pessoa possui para fazer o elo de ligação entre encarnados e desencarnados. Praticamente um convite claro ao desenvolvimento mediúnico.

Mediunidade discreta:

a mediunidade é manifestada de forma mais suave e pode ser confundida com fenómenos psicológicos.

A mediunidade não se manifesta da noite para o dia. Provavelmente, se ela está presente de maneira activa e aflorada, ela provocará alterações incomuns de comportamento que podem ser chamados de sintomas de mediunidade não desenvolvida ou desequilibrada.

Alguns exemplos são:

  • Mal estar quando se está perto de certas pessoas, mesmo que desconhecidas;
  • Alterações de humor constantes;
  • Inquietação e falta de saciedade emocional;
  • Sensação de vazio e angústia sem sentido;
  • Perturbações espirituais, como notar a presença de vultos e ouvir vozes;
  • Irritabilidade e impaciência;
  • Ideias negativas recorrentes.

O maior perigo para o médium que não desenvolve e que não tem consciência da sua mediunidade é ceder, mesmo que involuntariamente, à energias que podem ser negativas e influenciar de forma prejudicial os sentimentos e pensamentos do médium. Embora alguns desses sintomas sejam comuns a outros transtornos ou inerentes à correria do dia a dia, é importante observar se eles não influenciam o seu “eu habitual”.

Conectar-se espiritualmente é benéfico para todas as pessoas e não é preciso ser um médium desenvolvido ou ter religião para isso. Para trabalhar o equilíbrio espiritual e, consequentemente, a mediunidade, é preciso sintonizar-se de maneira positiva com o universo, emanar boas energias e agradecer pela vida. Colocar amor e a gratidão nas tarefas diárias já é um óptimo exercício para um bom fluxo energético com o universo espiritual e para atrair luz para a vida.

Artigos Relacionados

Sobre o autor Ver todos os artigos

O Guia Da Luz

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: