O Guia Da Luz

Acredita-se que os afrodisíacos tenham surgido na Grécia Antiga, quando os gregos cultuavam Afrodite – a deusa do amor, da beleza e da fecundidade – com cerimónias e rituais especiais, nos quais eram ingeridas poções do amor, na esperança de que aumentassem o vigor e o prazer sexual. Ervas, flores e especiarias regidas por Afrodite (Vénus, para os romanos) eram usadas como ingredientes no preparo dessas poções e, com isso, ganharam a fama de “afrodisíacos”.

A cultura popular de povos do mundo todo tem muito a contar sobre seus afrodisíacos. A respeito desse assunto, daria para escrever um livro, mas a intenção aqui é mostrar algumas curiosidades que relacionam esse assunto à plantas e flores. A ciência ainda enfrenta muitas dificuldades para comprovar as propriedades verdadeiramente “excitantes” dos chamados afrodisíacos. Certas linhas de estudo defendem que o mecanismo que desperta o prazer nos humanos é resultado de uma série de estímulos recebidos por meio dos sentidos (olfacto, tacto, visão, paladar e audição) somados a uma boa dose de fantasia.

Seja pelo perfume , pelas substâncias quando ingeridas, pelo óleo usado em massagens, em banho… enfim, algumas flores e plantas ficaram famosas como poderosos afrodisíacos. Coleccionei algumas informações sobre esse assunto e vejam só quantas coisas interessantes acabei descobrindo:

Rosa (Rosa sp).: Uma das flores mais famosas é, também, considerada um afrodisíaco. Ninguém menos que Cleópatra, a rainha do Egipto, a utilizava com essa finalidade. Conta-se que a rosa era um dos ingredientes básicos de suas receitas de beleza e, além disso, a sábia rainha cobria seu leito com pétalas de rosas para garantir uma “tórrida noite de amor” com seu amado Marco António. O óleo de rosas era muito usado pelas mulheres do Oriente – elas o espalhavam por todo o corpo, ao se prepararem para o amor. Durante as pesquisas, descobri uma receita de Geleia com Pétalas de Rosas considerada infalível, quando o assunto é despertar o amor. Aqui, é necessária uma observação importante: no preparo da geleia, nunca se deve utilizar rosas tratadas com insecticidas, fungicida ou qualquer outro produto químico. Se quiser mesmo preparar a geleia, sugiro que produza seu próprio ingrediente pois, além do prazer de cultivar uma roseira, você estará garantindo que as flores estarão livres de qualquer substância tóxica.

Jasmim (Jaminum officinalis): Outra flor considerada afrodisíaca há séculos. Várias espécies de jasmim apresentam um perfume doce e envolvente. O óleo desta flor – um dos mais caros do mundo – é usado como ingrediente na preparação dos mais valiosos perfumes que hoje existem no mercado (o Chanel no. 5 é um deles). Muito ligado ao aspecto feminino, o jasmim inspirava as canções ardentes e lascívas dos poetas árabes. Era, também, uma das flores mais usadas pelas “favoritas” dos sultões, ao se enfeitarem para as longas noites de amor. Além disso, elas tomavam um banho com óleo de jasmim e, depois, espalhavam-no pelo corpo em massagens sensuais. Para os hindus, esta flor está intimamente ligada ao amor e, por isso, ainda hoje é utilizada na montagem de grinaldas nupciais.

Sobre o óleo de jasmim, é interessante reproduzir as palavras de Marcel Lavabre, em sua obra “Aromaterapia, a Cura pelos Óleos Essenciais“: “Graças aos supremos poderes sensuais, o jasmim é o melhor afrodisíaco que a aromaterapia pode oferecer. No entanto, não deve ser considerado um mero estimulante para o sexo. O jasmim desfaz a inibição, solta a imaginação e deixa a pessoa num estado jubiloso. Num certo sentido, o poder do jasmim só pode ser experimentado por completo por quem se ama de verdade, pois ele transcende o amor físico e libera toda a energia sexual tanto do homem quanto da mulher. É o melhor estimulante do chakra sexual“.

Ylang Ylang (Cananga odorata) : Assim como o óleo de jasmim, a aromaterapia considera o óleo obtido das flores do Ylang Ylang um poderoso afrodisíaco, que estimula o apetite sexual aguçando os sentidos. Aplicado em massagens ou simplesmente vaporizado no ambiente, acredita-se que esse óleo essencial é capaz de maravilhas. Na Indonésia, por exemplo, era costume cobrir a cama dos recém-casados com flores do Ylang Ylang., para inspirar uma optima noite de lua-de-mel.

Sândalo (Santalum album): Considerada uma árvore sagrada na Índia. Existem registos em documentos antigos escritos em sânscrito e chinês que atestam seu uso como incenso em cerimónias religiosas e rituais onde se busca a elevação da alma. A destilação da madeira interna produz um óleo grosso e amarelado, de fragrância doce, picante, intensamente oriental. Na aromaterapia, o óleo de sândalo é utilizado no tratamento de problemas ligados ao aparelho genito-urinário, especialmente impotência e frigidez. Por sua acção tónica e estimulante das funções sexuais, é considerado um afrodisíaco.

Catuaba (Trichilia catigua): Este afrodisíaco tipicamente nacional tornou-se conhecido no internacionalmente A planta, abundante no Brasil, é usada na forma de chás e tinturas. Acredita-se que suas propriedades estimulantes (como as do guaraná) actuem combatendo o stress e aumentando a disposição orgânica.

Ginseng (Panax ginseng): A raiz do ginseng, contorcida e ramificada, lembra uma figura humana. Chineses e indianos consideravam a planta um afrodisíaco, pois ao agir contra o stress, o cansaço e a falta de energia, melhoraria o desempenho sexual, equilibrando o indivíduo como um todo.

Jacinto (Hyacinthus): – A raiz desta flor era utilizada cozida, para tratar tumores dos testículos. Considerada uma flor masculina, era usada por povos antigos como um tónico para aumentar o vigor e o desempenho sexual nos homens.

Narciso Narcissus poeticus: Os bulbos são muito ricos em vários alcalóides e um deles – a narcisina – mesmo sendo utilizado na medicina popular é altamente tóxico. Tidos como potentes afrodisíacos, os bulbos do narciso eram usados no preparo de infusões, “filtros do amor” e, principalmente, na produção de uma água destilada que aumentaria a secreção de esperma. Mas, é provável que o efeito produzido era mais narcótico do que estimulante.

Guaraná (Paulinia cupana): Quando os primeiros europeus chegaram ao Brasil, os índios já consumiam o guaraná como alimento e para afastar o cansaço. A planta foi estudada pela primeira vez pelo botânico Karl von Martius que, em 1826, visitou a região amazónica. Sua fama como afrodisíaco viria do fato de que a planta apresenta propriedades tónicas e estimulantes que afastam o esgotamento físico e mental, aumentando a disposição geral do organismo.

Tomilho (Thymus vulgaris): Desde a Antiguidade, o tomilho tem sido amplamente usado em terapias por suas propriedades estimulantes e purificadoras. O aroma desta planta é considerado energizante. Uma tradição muito antiga recomendava que, no final de um dia cansativo, era só amassar levemente entre as mãos alguns ramos de tomilho e aspirar o perfume para recuperar a energia e aumentar a disposição para o sexo. Não há comprovação científica que ateste o efeito, mas também não há qualquer contra-indicação – assim, não custa nada experimentar…

Urucum (Bixa orellana L.): O urucum tornou-se muito conhecido graças ao pigmento extraído de suas sementes. Originária da América tropical, é planta espontânea na região que vai das Guianas até a Bahia. A pintura do corpo com o pó de urucum faz parte das tradições indígenas, sendo usada há séculos, em cerimónias e rituais. Na medicina popular, o urucum é utilizado desde o século XVII. Os indígenas usam o pó das sementes como afrodisíaco e como um remédio contra a intoxicação pela ingestão da mandioca-brava.

Artigos Relacionados

Sobre o autor Ver todos os artigos

O Guia Da Luz