O Guia Da Luz

“Quando os nossos olhos se cruzarem, eu senti que já o conhecia, apesar de nunca o ter visto antes. Era como se nos conhecêssemos desde há muito tempo, desde uma outra vida…” São muitos os relatos de pessoas que, ao viverem uma história de amor, sentem que aquela pessoa já as amou antes, num outro tempo, num outro local. Embora todas as histórias de amor tenham o seu quê de romance e seja fácil cair num devaneio literário, os especialistas em estudos Kármicos acreditam que é possível reencontrarmos na nossa vida presente amores que começaram séculos antes, noutras vidas.

“Por Alma Gémea” entende-se “a nossa outra metade”. Esta designação remonta a Platão, o filósofo que postulou a hipótese de, num tempo original, sermos todos como esferas, com quatro braços, quatro pernas, dois rostos, dois troncos… e uma só alma. Ao acharem-se superiores por serem um todo tão harmonioso, os homens desafiaram os deuses, que prontamente os castigaram, dividindo-os ao meio. E reza a lenda que, desde então, todos nós vivemos à procura da pessoa que, no início dos tempos, era a outra metade de nós.
A mesma teoria é desenvolvida pela Cabala, defendendo que, quando a nossa alma foi criada, foi igualmente concebida outra alma, a nossa gémea, que nos polariza, assim equilibrando o universo cósmico. De uma só alma inicialmente criada originam-se dois corpos distintos, que chegam à Terra em tempos e locais diversos, consoante o seu estádio de evolução – porque a viagem de todas as almas visa a evolução espiritual, e porque os relacionamentos amorosos são uma parte fundamental desta evolução, proporcionando-nos algumas das lições mais importantes que temos de aprender.

Como reconhecer a minha Alma Gémea?
As borboletas no estômago, a emoção no peito, o rubor nas faces, a alegria inexplicável… são sintomas que todas as pessoas que já estiveram apaixonadas reconhecem facilmente. No entanto, o encontro com uma alma gémea é algo muito mais forte e muito mais intenso do que qualquer outro amor ou paixão vivida. Acima de tudo, o que caracteriza o encontro com uma alma gémea é a sua intensidade e, principalmente, a sua certeza. Quando encontramos a nossa alma gémea, sabemos. Não conseguimos explicar porquê, nem encontrar uma justificação lógica, mas sabemos que aquela pessoa faz parte de nós, que estamos intrinsecamente ligados a ela, e que a nossa vida nunca mais será a mesma depois de a encontrarmos.

Desengane-se quem pensa que o encontro com a Alma Gémea conduz a um “e viveram felizes para sempre”. Na verdade, isso raramente acontece. Precisamente porque a Alma Gémea é aquela com quem temos mais a aprender, o encontro e relacionamento com ela apresenta-nos, muitas vezes, os maiores desafios que a nossa vida amorosa alguma vez nos apresentou.

É muito frequente que a nossa Alma Gémea encarne um tipo físico completamente antagónico àquele pelo qual somos geralmente atraídos, assumindo muitas das características psicológicas que se opõem a nós ou ao que sempre defendemos – porque a lição que a alma gémea nos traz para aprender é, justamente, a do amor puro e verdadeiro. Quando encontramos a nossa alma gémea, não conseguimos deixar de amar aquela pessoa, mesmo que ela vá contra muito do que nós sempre defendemos e desejámos para nós. Desse modo, a nossa essência aprende a amar, simplesmente, a outra alma, independentemente do invólucro físico onde esta encarnou e dos meios com que vive. Uma das principais características num encontro de almas gémeas é a facilidade de aceitação do outro. Os defeitos do outro deixam de ter importância, porque os aceitamos como parte dele e os amamos também, naturalmente, sem esforço.

As relações com a Alma Gémea apresentam, geralmente, um desafio a superar. É bastante comum que se encontrem em momentos chave das suas vidas, e que o seu encontro esteja associado a uma estranha coincidência. O episódio digno de um filme – “por qualquer razão inexplicável, acabei por estar naquele sítio àquela hora” – é uma das características que permite identificar um relacionamento com uma alma gémea, o qual surge quase sempre associado a uma aparente “ironia do Destino”. É muito comum, também, que ao conhecerem-se e conversarem sobre os passados de um e outro, se encontrem estranhas coincidências em datas e lugares. Em vários pontos distintos da vida podem ter vivido nos mesmos lugares, sem antes se terem cruzado, ou até terem vivido lado a lado. Pode haver, também, uma estranha sintonia nas datas de aniversário de familiares ou de acontecimentos importantes nas suas vidas.

O encontro com a Alma Gémea traz consigo o maior desafio amoroso que podemos viver, e por essa razão é frequente que, quando ele acontece, uma ou ambas as almas estejam envolvidas noutros relacionamentos. Muitas vezes a família é, também, uma oposição a este enlace. E é precisamente nas vicissitudes que tem para vencer que este amor mostra a sua força. Quando não há entrave que seja maior que o amor que une dois seres nem obstáculo que os possa separar, quando esta força é sentida, como um íman, por ambas as partes, estamos provavelmente perante essa outra metade de nós.
Encontrar a Alma Gémea é como chegar a casa. É encontrar alguém com quem nos sentimos inexplicavelmente seguros, bem, completos. E sem sombra de dúvida.

Quando duas Almas Gémeas se encontram, é frequente que estejam em pontos diferentes do seu processo de evolução. Uma delas pode ainda não estar preparada para viver esse amor intenso e absoluto, havendo um adiamento da consumação do mesmo. Esta separação temporária não é dolorosa, pois existe da parte da outra alma, mais evoluída, a firme certeza que “vamos ficar juntos”.

Outro dos traços que caracteriza o encontro de Almas Gémeas é a impossibilidade da separação. Estar afastado dessa pessoa dói, mais do que qualquer outra dor antes experimentada. Um ponto essencial a ter em conta é que entre Almas Gémeas tudo é sentido por ambas as partes. Muitas pessoas confundem uma obsessão amorosa com o encontro da Alma Gémea, na ânsia de que este aconteça. No entanto, quando apenas uma das pessoas sente esta intensidade, não podemos afirmar que se trate de Almas Gémeas. Embora muitas vezes um dos parceiros não ganhe consciência imediata da transcendentalidade desta relação, num encontro de Almas Gémeas ambos sentem a impossibilidade de se afastarem. Mesmo sem querer assumir aquilo que sentem, a verdade é que de forma inexplicável são irremediavelmente atraídos um para o outro.

Um dos aspetos que mais veementemente caracteriza o encontro com uma Alma Gémea é que nada voltará a ser como antes. Este encontro marca a vida de ambos de uma forma absoluta e irreversível, havendo um ponto de viragem na vida de ambos.
Por representarem um desafio e por todas as circunstâncias dramáticas que geralmente caracterizam este encontro, é frequente que haja conflitos entre Almas Gémeas. No entanto, quando se trata de Almas Gémeas, fazer as pazes é sempre mais  importante do que o conflito, e não há zanga que se sobreponha à necessidade de estarem juntas.

O encontro de Almas Gémeas acontece, geralmente, por uma estranha coincidência ou sincronicidade de acontecimentos, e apesar de não se conhecerem antes a familiaridade entre ambos é assombrosa. É como se não houvesse nada a esconder àquela pessoa, a sensação de conforto sobrepõe-se a tudo o resto, havendo um imediato sentimento de paz e bem-estar, de pertença.
Nem todas as pessoas encontram a sua alma gémea. Muitas vezes as almas têm de viver várias encarnações e evoluir espiritualmente até que possam chegar a esse encontro. Ao longo das nossas vidas vamos vivendo relacionamentos com outras pessoas, com quem criamos ligações kármicas. Quando vivemos um relacionamento com uma alma em vidas repetidas desenvolvemos com ela uma relação de companheiros de alma.

Companheiros de Alma e Almas Irmãs
Os nossos Companheiros de Alma são pessoas com almas muito semelhantes à nossa, que nos compreendem e aceitam, que têm o propósito de nos facilitar a nossa caminhada. Ao contrário da Alma Gémea, os Companheiros de Alma raramente nos apresentam desafios, surgindo muitas vezes num momento importante, em que vêm ajudar-nos a superar os desafios que se nos apresentam. Muitas vezes os Companheiros de Alma reencarnam na figura de nossos pais, mães, irmãos ou amigos próximos, outras vezes acabamos por ter um relacionamento amoroso com eles. Quando não existe qualquer atração sexual com essa pessoa dizemos tratarem-se de Almas Irmãs. Em qualquer das situações, são pessoas com quem sentimos uma maravilhosa afinidade, tratando-se de alguém que nos compreende sem precisarmos de nos justificar e que nos ajuda sempre nas demandas da nossa vida. Os Companheiros de Alma e as Almas Irmãs ajudam-nos a alcançar a maturidade emocional, permitindo-nos aprender a amar com segurança.

Artigos Relacionados

Sobre o autor Ver todos os artigos

O Guia Da Luz